Categorias
Organizando as Finanças

5 sinais de que você está errando em suas finanças

Olá, Carol Stange por aqui com mais um conteúdo sobre finanças pessoais e investimentos!

Hoje eu quero mostrar cinco situações que acabam com qualquer saúde financeira e, muitas vezes, parecem não ser tão importantes assim (mas são). Não estranhe se, ao final dessa leitura, você constatar que vários sinais estão ligados entre si:

Sinal número 1: Você gasta todo seu salário. Não há sobras, seja para manter seu custo de vida, seja por falta de planejamento de gastos. Neste caso, é importantíssimo mapear as despesas, independentemente de qual seja o seu caso. Se após o levantamento das despesas você chegar à conclusão que não há caminhos que não sejam aumentar os ganhos, eu te dou 3 opções:

1.       a primeira dela envolve aumentar a receita sendo promovido no trabalho atual.

·         Um bom curso técnico pode agregar valor imediato para as suas atividades e fazer brilhar os olhos dos seus superiores.

2.       A segunda opção é pesquisar no mercado quanto vale um profissional com as suas competências e habilidades.

·         Se seu salário estiver abaixo do praticado no mercado, uma recolocação pode ser considerada, lembrando que é muito melhor trocar de emprego estando empregado do que ao contrário.

3.       A terceira opção é aumentar a receita com projetos de renda extra.

·         E renda extra vai muito além de comprar cosméticos para revenda ou sair para passear com cachorro do vizinho. Aqui falo de projetos bem estruturados de micro empreendedorismo.

Sinal número 2 é reflexo do pensamento imediatista: é quando não há dinheiro destinado para a aposentadoria – se é o seu caso, está na hora de priorizar o seu futuro. Uma das coisas mais tristes da vida é precisar depender da ajuda financeira dos filhos ou parentes na velhice.

Idealmente, pelo menos 10% da sua renda deve ser destinada para investimentos de longo prazo. Lembrando que investimentos para essa finalidade devem ser feitos após a sua reserva de emergência montada, ok?

Sinal número 3 está relacionado à dois tipos de crédito bem conhecidos dos brasileiros: o cartão de crédito e o cheque especial. Você está sempre acumulando dívidas no cartão e entrando todo mês no cheque especial, nem que seja por uns dias, até cair o pagamento? Pois este é um sinal de alerta máximo. Essas são as piores dívidas que uma pessoa pode ter. Para você ter uma ideia, os juros do Cartão de Crédito giram em torno de 300% ao ano enquanto o Cheque Especial 150% ao ano. Cinco mil reais podem se transformar facilmente no valor de um carro em 12 meses. É uma bola de neve difícil, muito difícil de controlar depois que começa a se formar.

Sinal número 4 é um clássico dos desorganizados: ignorar deliberadamente o extrato bancário. Nas minhas palestras, eu brinco que não saber como está sua conta corrente é como ter que atravessar um quarto escuro sem esbarrar em nada. Uma boa solução é separar um dia da semana para verificar os gastos passados e planejar os gastos futuros. Fazer de conta que sua conta corrente não existe só vai acrescentando gotas d’água naquele balde prestes a transbordar.

Sinal número 5: não existe um orçamento, mesmo que você afirme que todos os gastos já são conhecidos, portanto é desnecessário anotá-los, porque deixa escapar alguns pagamento e entra em dívidas pequenas, essas não valem a pena. Pois saber para onde vai o seu dinheiro é o modo mais fácil e eficiente de começar a controlar suas finanças.

Todos, TODOS se surpreendem com alguns gastos que acreditavam ser menores do que efetivamente são. Ter um orçamento é o primeiro passo para o desenho do seu Mapa da Vida Financeira. É esse mapa que mostra onde você está, para onde você quer ir, quais os caminhos a percorrer, atalhos, armadilhas, pontos de descanso e reabastecimento. Quando tudo isso está mapeado, uma viagem fica muito mais confortável e rápida, não é?

É preciso entender que cuidar do próprio dinheiro é simples, porém pode dar um certo trabalho, principalmente no começo. Toda saída da rotina e incorporação de novos hábitos incomodam um pouco, mas é por uma boa causa: a sua independência financeira. Você merece ter uma vida financeiramente saudável.

Um beijo e até mais!

Carol Stange