Introdução ao investimento

Módulo 1 – Fundamentos do investimento

Dentro da Economia: investir significa colocar seu dinheiro em algum lugar com a expectativa de um benefício futuro.

Ou seja, utilizar seu capital atual para fazer com que ele renda mais em uma aplicação de investimento do que se ele fosse colocado embaixo do seu colchão ou parado na Conta Corrente do seu banco, por exemplo.

E quais são os “pilares” do investimento?

Podemos dizer que são 3 principais pilares, conhecido, também, como o tripé dos investimentos, que abrange: retorno, risco e liquidez.

Essas 3 variáveis são a base que vão te ajudar a decidir de forma consciente onde colocar seu dinheiro, considerando seu perfil de investidor, seus objetivos e também a sua tolerância aos riscos.

O retorno tem a ver com a rentabilidade de uma aplicação financeira. Ou seja, o quanto em determinado período, você vai conseguir um retorno (um benefício) daquilo que investiu. E é importante mencionar que quanto maior o retorno previsto, maior, também, tende a ser seu risco. A tendência é que quanto maior o risco, maior tende a ser minha taxa de retorno porque um precisa compensar o outro. 

Como assim? O que o risco tem a ver com o retorno?

A máxima para qualquer investimento é que não se pode investir sem considerar seus riscos, e isso significa que nem sempre é possível obter o retorno esperado de uma aplicação, dado que só se é possível ter uma previsão do que irá acontecer com o seu dinheiro aplicado. E essa regra serve, inclusive, para a poupança. Os riscos existem e precisamos ter isso em mente. Só é possível verificar se obtivemos algum retorno no momento em que formos resgatar o valor de uma aplicação. Mensurar o tamanho do risco é importante porque precisamos adequar o nível de risco de um determinado investimento ao nível de risco que a pessoa quer tomar naquele determinado momento de sua vida, ou seja, de acordo com seu perfil de investimento.

Os riscos existem porque estamos sujeitos a várias situações que não podem ser controladas, somente previstas. As condições econômicas do país (como PIB, taxa de desemprego e inflação), os riscos de crédito relacionados aos credores do dinheiro, que podem quebrar financeiramente durante uma crise econômica, por exemplo, e afetar aqueles que investiram, e até mesmo riscos operacionais daqueles que oferecem os serviços de investimentos.

A Liquidez no investimento diz respeito à possibilidade e facilidade de uma aplicação de investimento se converter em dinheiro direto na sua conta corrente, ou seja, quanto mais rápido for esse processo, maior liquidez seu investimento possui. 

Para as pessoas que não conseguem deixar o dinheiro parado por muito tempo em uma aplicação, por exemplo, é importante ponderar a liquidez daquele investimento. Por isso é importante mencionar, também, que se a liquidez é alta, a rentabilidade tende a ser baixa, e vice versa. 

Na prática, como saber se o investimento tem alta ou baixa liquidez?! Antes de aplicar seu dinheiro, você irá notar algumas informações como:

  • Liquidez diária ou D+1: Nesse caso significa que o dinheiro daquele investimento entrará na sua conta naquele dia ou no próximo dia, a depender do horário de resgate;
  • Liquidez imediata ou D+0: Nesse caso significa que o dinheiro daquele investimento entrará na sua conta no momento em que for solicitado o resgate;
  • Liquidez no vencimento: Nesse caso significa que você só conseguirá solicitar o resgate daquele valor em sua data de vencimento, que pode variar de aplicação para aplicação.

Entendeu como é importante verificar, também, a liquidez do seu investimento? Se, por acaso, você aplicar um dinheiro e a liquidez for no vencimento, pode ser que você não consiga resgatar aquele valor a tempo para cobrir alguma emergência. 

Dessa forma, é importante ter em mente que o seu perfil de investidor somado aos seus objetivos pessoais vai dizer quais são as melhores opções de investimento para você aplicar seu dinheiro. 

Curtiu?! Responde aqui e já vai para o Módulo 2 – Qual é o objetivo do investimento